Skip to main content

Mulher que causou revolta popular por cortar o pescoço de uma coruja é assassinada a tiros

Uma mulher causou uma enorme revolta popular ao publicar um vídeo nas redes sociais decapitando uma coruja, a postagem logo viralizou nas redes sociais causando indignação a muita gente, tudo aconteceu no último dia 13.

Mulher que causou revolta popular por cortar o pescoço de uma coruja é assassinada a tiros 53
(Foto: Reprodução)

Mileydis Aldana Herazo, de apenas 21 anos, morava na Colômbia e foi atingida com 6 tiros na porta de sua casa.

O assassino abordou a vítima enquanto ela estava andando na garupa de uma moto de um amigo, ele deu diversos tiros no peito, no braço esquerdo e também na perna da vítima, que acabou morrendo no local.

Tudo foi noticiado pelo jornal “El Heraldo” e a polícia investiga se o assassinato da mesma tem relação com a crueldade com o animal que ela praticou, mas vale ressaltar que ela tinha passagem pela polícia por venda e receptação de drogas. Ela vivia postando mensagens em suas redes sociais dizendo que estaria sendo ameaçada de morte a muito tempo por várias pessoas.

Ela também respondia um processo e estava sendo indiciada por praticar crimes de crueldade animal, e poderia pegar até 2 anos de cadeia caso fosse condenada, de acordo com as leis do seu país.

Publicidade

Uma mulher causou uma enorme revolta popular ao publicar um vídeo nas redes sociais decapitando uma coruja, a postagem logo viralizou nas redes sociais causando indignação a muita gente, tudo aconteceu no último dia 13.

Mulher que causou revolta popular por cortar o pescoço de uma coruja é assassinada a tiros 53
(Foto: Reprodução)

Mileydis Aldana Herazo, de apenas 21 anos, morava na Colômbia e foi atingida com 6 tiros na porta de sua casa.

O assassino abordou a vítima enquanto ela estava andando na garupa de uma moto de um amigo, ele deu diversos tiros no peito, no braço esquerdo e também na perna da vítima, que acabou morrendo no local.

Tudo foi noticiado pelo jornal “El Heraldo” e a polícia investiga se o assassinato da mesma tem relação com a crueldade com o animal que ela praticou, mas vale ressaltar que ela tinha passagem pela polícia por venda e receptação de drogas. Ela vivia postando mensagens em suas redes sociais dizendo que estaria sendo ameaçada de morte a muito tempo por várias pessoas.

Ela também respondia um processo e estava sendo indiciada por praticar crimes de crueldade animal, e poderia pegar até 2 anos de cadeia caso fosse condenada, de acordo com as leis do seu país.